Parece que este navegador não é compatível ou está desatualizado. Para ter uma melhor experiência em Ballantines.com, recomendamos atualizar para o Microsoft Edge.

EXPERIMENTAR O NAVEGADOR EDGE

Artistas mulheres que impulsionam a cena musical do Deep House na África do Sul

Rofhiwa Maneta fala sobre a história do Deep House na África do Sul e as artistas mulheres que impulsionam a cena musical.

Para a maioria dos adeptos do gênero, o Deep House costuma ser visto como o irmão mais velho e mais sofisticado da House Music. Muitas vezes, a música traz elementos de Jazz, Soul e, na África do Sul, ainda combina ritmos da música local, como Maskandi e Isichatamiya.

Veja, por exemplo, o Black Coffee.

Embora seu projeto recente tenha uma tendência mais híbrida de música Eletrônica/House comercial, o Soulful House profundo predomina nos seus trabalhos anteriores, do início ao fim. Suas produções mais antigas sempre foram consideradas favoráveis à esquerda ao combinar o Afrobeat mais convencional com a sonoridade do Deep House com percussão. “Black Coffee”, seu primeiro lançamento, era repleto de Jazz, assim como as produções seguintes: “Have Another One”, “Home Brewed” e “Pieces of Me”. Ao longo do caminho, trabalhou com lendas como Hugh Masekela, além de Victor Ntoni e Busi Mhlongo, já falecidos.

Em uma proposta semelhante, uma música como “Set Your Mind Free”, de Sis n Jones (um clássico do Deep House sul-africano), tem os elementos que se espera de um sucesso do Deep House sul-africano. Da bateria propulsiva à seção de cordas estridentes, acordes suaves de Rhodes e vocais poéticos, no Deep House sul-africano a melodia é quase tão importante quanto a música por trás dos vocais.

Um modelo parecido aparece em faixas como “Golden Life”, lançada em 2005 pelas lendas do House local Maf & So (dupla composta pelo cofundador da Soul Candi, Dj Mbuso, e pelo produtor Dr Duda). Ela contém muito Jazz e palavra falada no estilo do Rap. Mas quantas pessoas saberiam dizer o nome da vocalista que confere à música grande parte da sua importância emocional?

A artista de Deep House baseada na África do Sul Jackie Queens é um pouco atípica. A compositora e vocalista nascida no Zimbábue é mais conhecida pelo Deep House com influências pesadas de Rhodes e pela política que fundamenta seu trabalho. Em agosto de 2020, ela lançou “Save Me”, um número com baixo pesado e percussão, que fala sobre a morte de Uyinene Mrwetyana (estudante sul-africana cuja morte deu visibilidade ao problema nacional do genocídio). Também fundou a Bae Electronica, uma gravadora local de House independente que busca amplificar as vozes das mulheres sul-africanas no Deep House.

Quote Icon

“Acredito que todas as pessoas têm o direito de trabalhar em um ambiente que reconheça sua humanidade básica”, afirmou Queens em uma chamada pelo Skype. “Na minha opinião, é um conceito estabelecido. O que faz meu trabalho parecer tão controverso é o fato de estar acontecendo no contexto mais amplo do Deep House. Muitas outras pessoas querem manter a situação atual como ela está.”

Em 2017, o sucesso Love Will Wait gerou um editorial sobre a exclusão das mulheres da House Music. Há muito tempo, as vocalistas têm sido a base sobre a qual o Deep House foi criado. Veja qualquer catálogo de clássicos do House e, com frequência, uma mulher empresta seus vocais ao ritmo da percussão four-to-the-floor do DJ. “Finally”, do Kings of Tomorrow, traz Julie McKnight nos vocais. “Rise”, da Soul Providers, conta com Michelle Shellers. “Sing It Back”, de Moloko, foi composta por Róisín Murphy.

Quote Icon

“Não é incomum os produtores declararem sua propriedade sobre uma música na totalidade (muitas vezes, até mesmo sem a garantia de pagamento de royalties ou sem ter acordos firmados), porque o nome deles aparece primeiro. Às vezes, isso é considerado uma ignorância sobre como funcionam os direitos autorais, mas as histórias sobre a exploração de vocalistas continuam sem mudanças e sem resposta.” Jackie Queens para a Platform

Tudo isso leva à simples pergunta: as mulheres podem encontrar seu lugar no Deep House? Nos últimos anos, as mulheres estão mudando a situação.

Em abril deste ano, Sio, vocalista e poeta de Deep House em Joanesburgo, lançou “Features”, um EP de 12 faixas com muito conteúdo. “Locked”, faixa que aparece na metade do álbum, traz vocais reverberantes pesados e uma melodia pulsante sintetizada enquanto Sio fala sobre os perigos de se apaixonar pela pessoa errada. “Estou presa à beleza, você só quer me usar”, ela canta no refrão da música. De maneira parecida, músicas como “Woman” (com Charles Webster) são parcerias de Deep House, em evolução lenta, com letras emocionalmente envolventes sobre temas como encontrar e perder um amor, racismo, misoginia e ser mulher.

Parte do que torna “Features” tão atrativa é que a artista de Joanesburgo transformou o jeito como as músicas de Deep House costumam ser apresentadas ao público. Na maioria dos casos, um produtor conta com um vocalista, e as pessoas entendem que a música é de propriedade exclusiva desse produtor ou DJ. Entretanto, em “Features”, Sio relaciona diversos dos seus produtores preferidos (Charles Webster, DUNN, Jonny Miller e outros). Nesse caso, os produtores e suas contribuições são secundários em relação aos vocais, que ganham destaque. Essa é uma das pequenas maneiras com que a artista está invertendo a forma como as contribuições das mulheres são vistas no gênero Deep House.

Em um episódio de 2019 do Ballantine’s True Music Sessions na África do Sul, Sio se reuniu com o produtor/dono de um gravadora local de House Kid Fonque. “É um privilégio ser tão procurada”, ela afirmou em relação à sua carreira. “Normalmente, tem várias pessoas querendo que eu trabalhe com elas, e é sempre recompensador que minha voz ajude a impulsionar a carreira de outra pessoa.” Essa afirmação parece estar em discordância com as motivações que ela descreve em “Features”, mas não está.

Sio, e as mulheres da mesma linha musical que ela, não são avessas ao rótulo de vocalista. Tudo o que elas querem é ter direito ao reconhecimento por seu trabalho.

Dê uma olhada superficial em qualquer playlist de Deep House e veja que, em nove de cada dez casos, uma mulher faz parte do sucesso da música de um jeito ou de outro. Músicas como “Emathandweni”, de Zandimaz, perdem a veracidade sem a contribuição da vocalista Nokwazi. “El Amor”, de Layla Melodious, também deve muito da sua atratividade ao verso livre e poético entre os refrões da música.

Em “My House”, um clássico original da House music, Chuck Roberts abre com as seguintes palavras:
“No começo, havia Jack…”. Um dia, enquanto detonava um som na sua pickup, Jack declarou com ousadia, em uma alusão à criação do mundo: “Faça-se o House”, e a House Music nasceu. Assim como muitos outros mitos criacionistas, a criação é considerada resultado de uma energia masculina.

Mas, se a história recente nos ensinou alguma coisa, a verdadeira base da House Music consiste nas contribuições das mulheres vocalistas e produtoras que, muitas vezes, não levam o crédito. Jack pode ter declarado o nascimento do House, mas a história sugere que as mulheres estão mantendo o gênero vivo.

INSCREVA-SE NO NOSSO BOLETIM INFORMATIVO

Quero saber mais sobre:

*Suas informações poderão ser usadas pela Chivas Brothers International Limited e disponibilizadas por nós a outros membros do Pernod Ricard Group. Você pode cancelar sua inscrição a qualquer momento. Também pode exercer seu direito de acesso, retificação, exclusão ou objeção. A Política de Privacidade explica como fazer isso.