TRUE MUSIC NAIROBI


10 May 2018 | NAIRÓBI

Na terceira parte do True Music Africa, vamos até Nairóbi, Quénia, para transmitir um movimento que está a dominar as ondas de som nesta próspera metrópole.


NAIRÓBI

Numa cidade que se move ao seu próprio ritmo, um grande número de DJs, MCs e vocalistas locais estão a percorrer caminhos nunca antes percorridos nos reinos da música para trazer novas energias ao panorama da música eletrónica local. Como resultado do boom digital atual no Quénia, Nairóbi está a testemunhar o despertar e o florescimento da criatividade, através do aumento de start-ups e negócios empreendedores no setor da moda, das artes e da música, nos quais a nova geração de tecnologias está a ter um impacto significativo.

À medida que este panorama se desenvolve, o mesmo acontece com o impulsionamento tectónico de criação de novos sons únicos, instantaneamente reconhecidos como quenianos. Apresentamos #NuNairobi, um frenesim musical multicolorido com sons que vão mais além do que a música eletrónica, R&B e club fundida com rap. Descontentes com a repetição dos ideais musicais clichés do Ocidente, os produtores e criadores de música do país estão a tentar desafiar os limites da produção de música eletrónica, acrescentando raízes tradicionais para criar algo que garantidamente nunca ouviu antes.

Em conjunto com a Boiler Room, iremos engrandecer os melhores pioneiros e criadores de músicas únicas do país com uma festa no dia 10 de maio, a qual será transmitida ao vivo para todo o mundo. Esteja atento ao Facebook para assistir à transmissão da revolução musical que contará com as produções mais recentes e as vozes fantásticas dos melhores artistas do Quénia:

PROGRAMA DE NAIRÓBI

EA WAVE

O conglomerado criativo conhecido como «East African Wave» é composto por um conjunto de artistas e produtores de vários estilos que trabalham arduamente para criar um novo som e uma nova identidade para Nairóbi, a sua terra natal. Este desejo é talvez mais bem expressado pelo movimento #NuNairobi, uma afirmação da intenção do seu som e da sua estética. Composto por seis membros talentosos, Ukweli, Nu Fvnk, Jinku, Hiribae, Muroe e Sichangi, o grupo cria músicas caracterizadas pelas melodias tenebrosas, o ruído do baixo e o som da 808 que estão a ser promovidos pelos jovens criadores de batidas em todo o mundo. Outro marcador do seu apego pelo «novo» é o facto de que o grupo se formou após muitas interações na plataforma de música online SoundCloud. Desde então, determinaram que havia força nos números e isso pode ser constatado nos dias de hoje, uma vez que nada conseguiu parar a progressão desta melodiosa tribo.

TAIO

Rapper e DJ, Taio era anteriormente conhecido pelo seu envolvimento com Camp Mulla, um grupo de pop do Quénia no topo das tabelas. Agora membro dos Cosmic Homies, Taio continua a abraçar a ética do DIY («faça você mesmo»), lançando músicas por si mesmo e recorrendo às suas competências como engenheiro. A sua discografia a solo incluiu um EP a solo, produzido pelo próprio, intitulado «Man Made Machine», que ainda continua a ser o álbum mais transferido no Quénia desde há alguns anos. Conhecedor do panorama local e internacional, Taio possui admiradores conceituados como Blinky Bill, Muthoni e Gilles Peterson do Reino Unido.

SURAJ

Suraj, DJ e produtor em ascensão, combina de forma notável a música house moderna com vocais e instrumentação tradicionalmente africanos. Tendo começado por tocar tabla clássica por influência do seu pai, eventualmente evoluiu para a produção de música eletrónica, tornando-se, como resultado, num dos produtores de música house mais conhecidos na cidade. Frequentemente comparado à realeza da música dance, como Osunlade e a sua trupe da Yoruba Records, Suraj toca com frequência em África e no resto do mundo, muitas vezes em conjunto com Dylan e Sheel, cofundadores da «Midi Minds».

DJ COCO EM

A DJ Coco Em, natural de Nairóbi, é bastante conhecida pelas suas criações ecléticas, que misturam sons quenianos contemporâneos com géneros que vão mais além, incluindo hip-hop, afro house e outros estilos de música eletrónica. Graças ao seu estilo e notoriedade, ganhou residências nos locais mais proeminentes de Nairóbi, incluindo no Alchemist, e como parte da coletiva de nove DJs femininas Femme Electronic, também conseguiu uma residência no Kenya Gizia Lounge, uma parte do National Theatre.

MUTHONI DRUMMER QUEEN

A artista multifacetada Muthoni Drummer Queen tem uma reputação temível na indústria como cantora, rapper, baterista e curadora formidável no panorama musical do Quénia. A sua música contornou a categorização, mas as tentativas de tentar colocá-la numa caixa descrevem-na como afro-eletro, devido à mistura de bateria africana e padrões rítmicos com uma fusão moderna de sons do estilo eletrónico, soft rock, hip-hop e dance. Como organizadora de eventos e curadora, Muthoni procurou criar um espaço alternativo para a evolução do seu panorama e da sua música. O Africa Nouveau Festival, que ocorre desde 2008, tem uma enorme adesão e todos os presentes apoiam o movimento NuNairobi em constante evolução.

TRUE MUSIC NAIROBI

10 May 2018 | NAIRÓBI

Na terceira parte do True Music Africa, vamos até Nairóbi, Quénia, para transmitir um movimento que está a dominar as ondas de som nesta próspera metrópole.


NAIRÓBI

Numa cidade que se move ao seu próprio ritmo, um grande número de DJs, MCs e vocalistas locais estão a percorrer caminhos nunca antes percorridos nos reinos da música para trazer novas energias ao panorama da música eletrónica local. Como resultado do boom digital atual no Quénia, Nairóbi está a testemunhar o despertar e o florescimento da criatividade, através do aumento de start-ups e negócios empreendedores no setor da moda, das artes e da música, nos quais a nova geração de tecnologias está a ter um impacto significativo.

À medida que este panorama se desenvolve, o mesmo acontece com o impulsionamento tectónico de criação de novos sons únicos, instantaneamente reconhecidos como quenianos. Apresentamos #NuNairobi, um frenesim musical multicolorido com sons que vão mais além do que a música eletrónica, R&B e club fundida com rap. Descontentes com a repetição dos ideais musicais clichés do Ocidente, os produtores e criadores de música do país estão a tentar desafiar os limites da produção de música eletrónica, acrescentando raízes tradicionais para criar algo que garantidamente nunca ouviu antes.

Em conjunto com a Boiler Room, iremos engrandecer os melhores pioneiros e criadores de músicas únicas do país com uma festa no dia 10 de maio, a qual será transmitida ao vivo para todo o mundo. Esteja atento ao Facebook para assistir à transmissão da revolução musical que contará com as produções mais recentes e as vozes fantásticas dos melhores artistas do Quénia:

PROGRAMA DE NAIRÓBI

EA WAVE

O conglomerado criativo conhecido como «East African Wave» é composto por um conjunto de artistas e produtores de vários estilos que trabalham arduamente para criar um novo som e uma nova identidade para Nairóbi, a sua terra natal. Este desejo é talvez mais bem expressado pelo movimento #NuNairobi, uma afirmação da intenção do seu som e da sua estética. Composto por seis membros talentosos, Ukweli, Nu Fvnk, Jinku, Hiribae, Muroe e Sichangi, o grupo cria músicas caracterizadas pelas melodias tenebrosas, o ruído do baixo e o som da 808 que estão a ser promovidos pelos jovens criadores de batidas em todo o mundo. Outro marcador do seu apego pelo «novo» é o facto de que o grupo se formou após muitas interações na plataforma de música online SoundCloud. Desde então, determinaram que havia força nos números e isso pode ser constatado nos dias de hoje, uma vez que nada conseguiu parar a progressão desta melodiosa tribo.

TAIO

Rapper e DJ, Taio era anteriormente conhecido pelo seu envolvimento com Camp Mulla, um grupo de pop do Quénia no topo das tabelas. Agora membro dos Cosmic Homies, Taio continua a abraçar a ética do DIY («faça você mesmo»), lançando músicas por si mesmo e recorrendo às suas competências como engenheiro. A sua discografia a solo incluiu um EP a solo, produzido pelo próprio, intitulado «Man Made Machine», que ainda continua a ser o álbum mais transferido no Quénia desde há alguns anos. Conhecedor do panorama local e internacional, Taio possui admiradores conceituados como Blinky Bill, Muthoni e Gilles Peterson do Reino Unido.

SURAJ

Suraj, DJ e produtor em ascensão, combina de forma notável a música house moderna com vocais e instrumentação tradicionalmente africanos. Tendo começado por tocar tabla clássica por influência do seu pai, eventualmente evoluiu para a produção de música eletrónica, tornando-se, como resultado, num dos produtores de música house mais conhecidos na cidade. Frequentemente comparado à realeza da música dance, como Osunlade e a sua trupe da Yoruba Records, Suraj toca com frequência em África e no resto do mundo, muitas vezes em conjunto com Dylan e Sheel, cofundadores da «Midi Minds».

DJ COCO EM

A DJ Coco Em, natural de Nairóbi, é bastante conhecida pelas suas criações ecléticas, que misturam sons quenianos contemporâneos com géneros que vão mais além, incluindo hip-hop, afro house e outros estilos de música eletrónica. Graças ao seu estilo e notoriedade, ganhou residências nos locais mais proeminentes de Nairóbi, incluindo no Alchemist, e como parte da coletiva de nove DJs femininas Femme Electronic, também conseguiu uma residência no Kenya Gizia Lounge, uma parte do National Theatre.

MUTHONI DRUMMER QUEEN

A artista multifacetada Muthoni Drummer Queen tem uma reputação temível na indústria como cantora, rapper, baterista e curadora formidável no panorama musical do Quénia. A sua música contornou a categorização, mas as tentativas de tentar colocá-la numa caixa descrevem-na como afro-eletro, devido à mistura de bateria africana e padrões rítmicos com uma fusão moderna de sons do estilo eletrónico, soft rock, hip-hop e dance. Como organizadora de eventos e curadora, Muthoni procurou criar um espaço alternativo para a evolução do seu panorama e da sua música. O Africa Nouveau Festival, que ocorre desde 2008, tem uma enorme adesão e todos os presentes apoiam o movimento NuNairobi em constante evolução.